Cuidado com as fraudes de boletos

 In

Visando auxiliar na identificação das fraudes à boletos bancários, colocamos aqui algumas considerações para que você evite este tipo de problema. Na maioria das vezes o caso ocorre em boletos eletrônicos, os quais são alterados o código de barras ou a linha digitável, enganando o cliente que acha que está pagando a conta certa.

Maneira fácil e rápida

A maneira mais fácil de identificar o problema é quando da emissão do boleto bancário de um banco e se constata que a linha digitável (representação numérica do código de barras) exibe número de outro banco. De forma padrão, a Febraban estabelece que esta identificação encontre-se sempre nas primeiras posições da linha digitável. Para consultar a lista de todos bancos cadastrados na Febraban e seus respectivos códigos clique aqui.

No primeiro exemplo abaixo, temos um boleto do Itaú (que tem como código bancário o número 341), apresentando o código de outro banco, no caso o Santander (033). Já no segundo temos a forma correta.

A providência acima verifica se o banco que aparece no boleto é diferente do banco onde se encontra a conta corrente usada para a fraude. O que já evita a maioria dos casos. Mas pode ocorrer de os bancos serem os mesmos: da conta correta e da conta fraudulenta. Neste caso, uma conferência mais efetiva deve ser usada para identificar a fraude. É possível verificar se o código de cedente (beneficiário /conta do fornecedor em que ocorrerá o crédito) está idêntico ao apresentado na linha digitável.

Forma mais eficaz

A identificação desse erro não é muito simples. Nesse caso, a posição do código de cedente (beneficiário) na linha digitável pode variar de acordo com o banco e até no mesmo banco, dependendo da carteira utilizada, sendo que em alguns casos é demonstrada apenas uma parte do código de cedente (beneficiário). Listamos ao final desta notícia, a forma de apresentação nos principais bancos.

Além disso, pode existir o caso em que o fraudador altera o boleto como um todo (alterando o código do cedente/beneficiário, o banco, etc.), mantendo entretanto as características que o fazem acreditar que se trata de um boleto conhecido. Neste caso, se você já pagou em meses anteriores um boleto idôneo desta natureza, deve comparar se o código do cedente (beneficiário) é o mesmo do boleto anterior. Se for a primeira vez que estiver emitindo um boleto deste tipo, vale a pena verificar com o fornecedor se o código do cedente (beneficiário) está correto.

Caso não seja possível realizar esta verificação, uma possibilidade é emitir a segunda via do boleto através de meios distintos (Correios e Site). Caso haja diferença entre os boletos, possivelmente seu computador ou o acesso a Internet utilizado são os responsáveis por alterar os dados através de Vírus. Como esse vírus se instala na máquina de quem imprime o boleto, pedimos que contacte uma ajuda especializada para verificação do seu micro.

Caso precise de ajuda

Se tratando de um boleto de condomínio administrado pela Protel, faça esta verificação entrando em contato com a equipe de condomínios através do e-mail setor.condominio@protel.com.br ou através de nossa central (21) 3722-5000.

Se for um boleto de locação de uma unidade administrada pela Protel, entre em contato com a equipe de Locação através do e-mail locacao@protel.com.br ou através de nossa central (21) 3722-5000.

FORMAS DE IDENTIFICAR O BENEFICIÁRIO

BANCO DO BRASIL (Código 001)

Caso 1: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 25, com 5 dígitos. Em alguns casos o código de cedente ultrapassa esse tamanho, caso isso ocorra, verifique se a numeração encontrada está contida no código de cedente. Segue abaixo um exemplo:

Caso 2: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 12, com 6 dígitos. Em alguns casos o código de cedente ultrapassa esse tamanho, caso isso ocorra, verifique se a numeração encontrada está contida no código de cedente. Segue abaixo um exemplo:

SANTANDER (Código 033)

O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 6, com 7 dígitos, nesse caso deve ser ignorado o dígito da posição 10. Segue abaixo um exemplo:

BANRISUL (Código 041)

O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 7, com 10 dígitos, nesse caso deve ser ignorado o dígito da posição 10. Segue abaixo um exemplo:

CAIXA (Código 104)

Caso 1: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 6, com 4 dígitos. Em alguns casos o código de cedente ultrapassa esse tamanho, caso isso ocorra, verifique se a numeração encontrada está contida no código de cedente. Segue abaixo um exemplo:

Caso 2: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 27, com 5 dígitos. Em alguns casos o código de cedente ultrapassa esse tamanho, caso isso ocorra, verifique se a numeração encontrada está contida no código de cedente. Segue abaixo um exemplo:

BRADESCO (Código 237)

O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 24, com 7 dígitos. Segue abaixo um exemplo:

ITAU (Código 341)

O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 23, com 6 dígitos. Segue abaixo um exemplo:

HSBC (Código 399)

Caso 1: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 5, com 7 dígitos, nesse caso deve ser ignorado o dígito da posição 10. Segue abaixo um exemplo:

Caso 2: O código de cedente (beneficiário) se encontra na posição 17, com 11 dígitos, nesse caso deve ser ignorado o dígito da posição 21. Segue abaixo um exemplo:

CONCESSIONÁRIAS (EX.: ENERGIA ELÉTRICA, ÁGUA, TELEFONE)

A verificação é bem simples, todas as cobranças de concessionárias têm, obrigatoriamente, a linha digitável iniciada com o código “8”. Segue abaixo um exemplo:


É importante ressaltar que algumas concessionárias optam por emissão de suas cobranças no formato boleto, neste caso vale a pena verificar com a mesma.