A história dos bairros do Rio de Janeiro

 In

Quem não gostaria de viver na cidade grande, experimentando e vivenciando todas as suas facilidades, contudo, em um ambiente pacato, totalmente residencial e com ar de interior? Moradores do bairro do Grajaú, na grande Tijuca, podem experimentar desse sossego e paz que somente aquele cantinho da cidade oferece.

O bairro é conhecido na cidade por ser um local tranquilo, de ruas largas e arborizadas. O Grajaú ainda cultiva muitas casas, jardins e um clima bastante residencial.

A área possui aproximadamente 40 mil habitantes, de acordo com último censo do IBGE realizado no ano de 2010, e uma área de 573,9 hectares.

Além de ser muito procurado para moradias, principalmente por famílias de classe média, é vizinho de bairros como Tijuca, Vila Isabel, Andaraí e Jacarepaguá. Sendo uma das principais rotas de ligação entre a zona oeste e a zona norte carioca, através da Autoestrada Grajaú-Jacarepaguá.

Bairro planejado outrora fazenda de cana

As terras que contemplam o bairro, antes chamado de Andaraí Grande, serviram para cultivo de cana-de-açúcar durante o século XVI, tendo sido uma grande sesmaria doada aos padres jesuítas.

Foi a partir do Andaraí Grande que surgiram os bairros de Vila Isabel, em 1873, e Aldeia Campista e Grajaú, em 1912.

Seu planejamento ocorreu sobre o Vale dos Elefantes, bem pertinho do Pico do Papagaio, pedra símbolo do bairro. A primeira rua que surgiu por ali foi a Barão de Mesquita, com o nome de Estrada do Andarahy, no ano de 1875.

Significado do seu nome

Grajaú deriva do termo indígena “uirá-ya-hú”, em alusão à pedra de mesmo nome, semelhante ao cesto que os antigos habitantes das terras usavam para levar as aves caçadas vivas.

O Grajaú dos tempos atuais

Foi somente a partir de 1920 que o bairro ganhou sua forma atual, tendo suas ruas organizadas em quadriculado e uma praça central, a Edmundo Rego. A Avenida Engenheiro Richard, a principal via local, recebeu o nome em homenagem a Antônio Eugênio Richard Júnior, engenheiro responsável pelo planejamento do bairro.

Assim como utilizado em outros bairros, trazendo um maior plano de expansão e ligando diferentes pontos da cidade, foi no início do século XX que os bondes chegaram em suas ruas.

Já a partir de 1950, prédios e condomínios foram erguidos como forma de atender a uma demanda crescente populacional. Esse episódio marcou a mudança paisagista do bairro, que antes era ocupado tão somente por casas.

A paz em meio ao agito da cidade grande

Você não precisa sair da calmaria proposta pelo bairro para ter acesso aos serviços básicos que uma família necessita. Ao entorno da Praça Edmundo Rego, por exemplo, já um pequeno comércio que vai de supermercados a petshops.

Quando se fala de lazer, aos domingos e feriados a mesma praça é fechada, impedindo a circulação de carros, permitindo que toda a criançada possa aproveitar o dia com bicicletas, jogos de futebol, piques… tudo isso sob olhar das famílias que aproveitam para socializar com a vizinhança.

Conheça o bairro

Conheça mais do Rio de Janeiro. Visite o Grajaú e conheça tradicionais clubes como o Grajaú Tênis Clube e o Country Clube. Ambos são utilizados por seus moradores para a prática de esportes e lazer. Sem contar que o bairro ainda abriga parte da floresta da tijuca, o Parque Estadual do Grajaú, que conta com 550.000m², destes, 30.000 são entregues à população para lazer.

A Zona Norte do Rio de Janeiro ainda reserva grandes experiências para quem deseja conhecer o que há além das praias e montanhas cariocas.