XVI Fórum do Meio Ambiente aconteceu no dia 19 de outubro

 In

XVI Fórum do Meio Ambiente debate o impacto do crescimento urbano na Barra, Recreio e Vargens

Autoridades e especialistas se reuniram com a sociedade civil organizada da Barra da Tijuca, Recreio dos Bandeirantes, Vargem Grande e Vargem Pequena para um debate sobre os impactos ambientais do crescimento urbano. O encontro aconteceu na sexta-feira (19/10), no hotel Ramada do Recreio Shopping, e foi organizado pela ACIR (Associação Comercial e Industrial do Recreio e Vargens), juntamente com o SindHoteis Rio (Sindicato de Hotéis do Rio de Janeiro. O evento se aprofundou sobre a intenção da prefeitura em construir um conjunto habitacional do projeto ‘Minha Casa Minha Vida’ no Recreio.

Ele contou com a participação de Alfredo Lopes, presidente da ACIR; o arquiteto Canagé Vilhena, morador de Vargens; Christianne Bernardo, auditora ambiental e fundadora da IEDHMA (Instituto de Estudos dos Direitos Humanos e do Meio Ambiente); Vinícius Monte Custodio, membro da Comissão de Direito Ambiental; Luis Gabriel Denadai, subsecretário municipal de urbanismo; Claudia Dantas, que representou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente; Marcus Almeida Lima, representante do Instituto Estadual do Meio Ambiente; Eduardo Freitas, delegado titular da 42ª DP; e Antonio Nunes, delegado titular da DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente). O encontro teve como mediador o jornalista Cláudio Magnativa, vice-presidente da ACIR.

O assunto mais debatido no fórum, que contou com a presença de Simone Kopezynski, presidente da AMOR (Associação de Moradores do Recreio dos Bandeirantes), e de Luiz Igrejas, presidente da AMAR (Associação dos Moradores e Amigos do Jardim Oceânico e Tijucamar), foi o projeto “Minha Casa, Minha Vida” em Vargem Grande.

Canagé Vilhena disse que o plano visa apenas uma ambição eleitoral, ignorando qualquer logística ambiental. Já Christianne Bernardo afirmou que a região não tem estrutura para receber um projeto dessa magnitude. Vinícius Monte Custodio recomendou que o habitacional fosse construído na Zona Norte do Rio. Luis Gabriel Denadai comentou que as leis atuais não acompanharam o processo de urbanização e de reestruturação da cidade.  Marcus Almeida Lima ressaltou a importância da parceria com o empresariado, para conciliar os interesses econômicos com os de meio ambiente.